10/08/2011

Mais carros, mais rádios.



Muito se comenta sobre o fim do rádio tradicional. Eu já falei sobre esse assunto inúmeras vezes e acho que vale a pena retornar a ele. Com o surgimento de novas mídias e novas tecnologias é natural que o comentário venha à tona. Mas vou frisar mais uma vez: o rádio não vai acabar, precisamos cada vez mais dele.


Sabemos que em casos de calamidades públicas, o rádio é o método mais prático, rápido e barato de comunicação de massa. Mas não é só isso. Eu estava parado no trânsito e pensei... poderia ver um DVD ou assistir TV no carro? Poderia, mas nem a telinha do carro e nem o trânsito teriam minha total atenção. O rádio tem essa vantagem, posso ouvi-lo e fazer outra coisa ao mesmo tempo.


Aí você pode estar pensando: Porque você não escuta algum player digital enquanto dirige? Até daria, mas ficaria sem saber se há uma saída no trânsito naquele momento, ou saber se ficaria parado por muito tempo, ou qualquer outra informação que me ajudaria a sair do tráfego intenso.


Conclusão: quanto maior a frota de carros, maior a importância do rádio.