30/10/2013

Talento ou Tecnologia?

Já existem programas de computador que organizam a programação musical de uma emissora de rádio, tem softwares que praticamente editam sozinhos e existem até locutores “automáticos”. Como a automação está cada vez mais simples, algumas emissoras estão preferindo, por economia e praticidade, executar a sua programação totalmente gravada.
Mas se você é locutor, pode ficar tranqüilo, porque nada substitui o talento. E não existe registro de nenhuma rádio “enlatada” que seja líder em audiência. Não há e nunca haverá máquina melhor que o ser humano. Os computadores são úteis e você não estaria lendo este texto agora se não fossem eles. Porém na comunicação, não tem como, e nem porque, substituir o “calor” humano. A comunicação precisa ser uma troca. O homem e a máquina têm que trabalhar juntos para tirar o melhor de cada um. Seja na função do criativo da publicidade, do ator que emociona, do locutor que diverte, ou do companheiro do rádio, precisamos do toque humano.
Para notar melhor como existem situações que não tem como substituir o talento, veja este caso de uma empresa que resolveu gravar a locução do seu vídeo institucional com um locutor “robô”. Diga qual a sensação essa empresa nos passa e se você sente confiança nos serviços dela:

Viu só? Assim como não adianta dominar a técnica se você não conhece a arte, não adianta ter os melhores equipamentos se você não tem pessoas capazes de executar bem a tarefa. Precisamos de seres humanos cada vez mais humanos, precisamos de sensações cada vez maiores. Este é o sentido da comunicação, poder transmitir uma informação para cada ouvinte poder interpretar da sua forma, como quiser.

25/10/2013

Já curtiu nossa FanPage?

Aqui vocë encontra curiosidades, dicas, atualizações e mais interatividade. Acesse: facebook.com/supercomunicador 

22/10/2013

Os Ditados que você sempre falou errado.

“QUEM NÃO TEM CÃO, CAÇA COM GATO”.
A versão correta é “quem não tem cão, caça como gato”, ou seja, sozinho!

“COR DE BURRO QUANDO FOGE”. - usado para designar uma cor indefinida, desbotada.
A versão original era: "Corro de burro quando foge".

“ESSE MENINO NÃO PARA QUIETO, PARECE QUE TEM BICHO CARPINTEIRO”.
A versão correta é “Parece que tem bicho no corpo inteiro.”

“CUSPIDO E ESCARRADO”. - usado quando uma pessoa é muito parecida com a outra.
“Esculpido em Carrara” seria o original (Carrara é uma cidade italiana produtora de mármore).

“QUEM TEM BOCA VAI A ROMA”.
Na verdade, o ditado nasceu assim: "Quem tem boca vaia Roma."

“BATATINHA QUANDO NASCE, ESPARRAMA PELO CHÃO”.
O correto é “Batatinha quando nasce, espalha rama pelo chão”.

“HOJE É DOMINGO PÉ DE CACHIMBO”.
Esse ditado nasceu como: “domingo pede cachimbo”.


Fontes: Significado dos Ditos Populares (Roberto Silvestrini, Ed. Baraúna) e Mario Sergio Cortella (professor da PUC-SP).

16/10/2013

Os 10 Bordões Mais Marcantes da Propaganda.


Quando a comunicação realmente funciona, simples slogans podem passar a fazer parte do cotidiano das pessoas. Confira estes exemplos:

“A carne é Friboi?”

Campanha criada pela Lew Lara\ TBWA e estrelada pelo experiente ator global Toni Ramos.

“Bonita camisa Fernandinho”
Case criado pela Talent, na década de 1980, para a marca de roupas Ustop, da Alpargatas. O bordão se popularizou e transpôs algumas décadas. Até hoje tem gente que repete a frase, mesmo sem saber o que ela de fato significa.

“Amo muito tudo isso”
A força da marca McDonald's é inegável e o slogan, igualmente forte, foi muito bem executado.

“1001 utilidades”
O namoro entre Bombril e a DPZ é um dos cases mais memoráveis da publicidade brasileira. Uma construção de marca histórica, com textos muito ricos, sacadas geniais de Washinton Olivetto, o maior garoto-propaganda do mundo (Carlos Moreno) e claro, um grande slogan, até hoje utilizado por quem quer definir algo ou alguém como versátil.

“Não é assim uma Brastemp”
Um dos principais desafios das marcas é gerar diferencial competitivo com relação à concorrência. A propaganda é responsável por facilitar essa missão. Depois que as campanhas criadas pela Talent passaram a utilizar essa expressão, a Brastemp começou a se fortalecer como sinônimo de qualidade.

“Quer pagar quanto?”
Amada ou odiada, a famosa frase dos comerciais, na voz do ator Fabiano Augusto, sempre foram repetidas a exaustão pelos quatro cantos do País. De fato, ela guarda muita sinergia com a rede de varejo que construiu sua marca com base na viabilização de meios de pagamentos mais flexíveis para consumidores de classe C, D e E.

“Tem coisas na vida que não tem preço... Para todas as outras existe Mastercard”
Está aí outro bordão pegajoso, que mesmo grande, ainda é lembrado sempre que possível pelo público, sobretudo com brincadeiras e ilustrações na internet.

“Tipo Net”
Outra vez a Talent consegue inserir um bordão na conversa popular. Na base do “parecido nunca é igual”, a operadora de TV por assinatura Net usou a frase em suas campanhas que destacam os diferenciais de seu serviço. Foi outra bela sacada.

“Sorriso saudável, sorriso Colgate”
O slogan foi utilizado durante muito tempo para promover a marca de creme de dental. A expressão “sorriso Colgate” é mais uma que ultrapassou a barreira do tempo e continua na boca da galera.

“Vem pra rua”
A campanha da Fiat “Vem pra Rua” era para convocar o público para torcer pela Seleção Brasileira de Futebol. Pelo menos este foi o mote criado pela Agência Fiat/ AgênciaClick Isobar e Leo Burnett Tailor Made. Acontece que o refrão da campanha, cantado pela banda Rappa, ganhou um tom militante e virou o hino das manifestações populares.

Fonte: AdNews.

09/10/2013

ALFABETO DA COMUNICAÇÃO


A: Atitude para falar;

B: Bom humor é fundamental;

C: Confiança em si mesmo;

D: Dicção correta;

E: Emoção ao se expressar;

F: Fácil deve ser o linguajar;

G: Gesticule com cuidado;

H: Hoje é o dia de fazer o melhor;

I: Informações devem estar organizadas;

J: Jogue, brinque, entre no clima;

K: KKK, divirta-se;

L: Linguagem deve ser adequada;

M: Marketing é importante;

N: Nomes próprios devem ser utilizados;

O: Oratória bem articulada;

P: Paixão acima de tudo;

Q: Querer fazer o melhor;

R: Receba um feedback;

S: Soar as palavras o mais claro possível;

T: Todos podem falar bem;

U: Use bons exemplos;

V: Voz bem colocada;

W: Waw! Surpreenda;

X: Xô baixo astral;

Y: Yes sempre! Evite o não;

Z: Zoom no tema!