sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Pressão Profissional. Até Onde Vale a Pena?


Por Patricia Prebianca Braun.

Nestes anos de locução publicitária, sempre foi prioridade atender o cliente prontamente, o mais rápido possível, nem que isso me custasse horas extras, finais de semana, almoços e jantares interrompidos por pessoas que não fizeram o seu trabalho em tempo hábil e - consequentemente - acabava sobrando pra mim. Férias? Pra quê? Bastava levar o set móvel e, entre uma parada e outra, checar emails, fazer gravações, enviar orçamentos e cobranças. Atender "prontamente" estava acima de tudo na minha vida: família, amigos, férias, saúde, etc e tal. Me lembro de ficar lisonjeada quando meus clientes me diziam que era umas das profissionais mais rápidas que já conheceram. Sentia que o fato de atender "pra ontem", me diferenciava de outros profissionais que não pareciam estar comprometidos com o trabalho.
Foram anos e anos assim....qualquer alerta no MSN, email, telefone tocando, Skype, Facebook, enfim, largava tudo pra entrar na cabine e entregar o trabalho o quanto antes. Até que um dia senti uma forte pressão no peito, o braço esquerdo adormeceu e comecei a suar frio. Senti que ia desmaiar, mas deu tempo de ligar pro meu marido e pedir ajuda. No hospital, o diagnóstico: princípio de infarto devido ao stress intenso. Tratamento? Remédios, terapia, remédio pra dormir, remédio pra manter-se acordada, tudo isso pra tornar a minha vida mais leve. Só que eu não me dei por conta de que era necessário tratar a raiz/causa do problema e não as consequências/ sintomas.
Por que estou relatando isso? Simples. Constatei, ao conversar com outras pessoas, que muitas levam uma vida assim, sem tempo pra digerir nada. Literalmente.
Quando a "ficha" caiu? Quando precisei me tratar novamente por causa de outros problemas e percebi que poucos se importavam realmente comigo, com minha saúde e bem-estar.
Ao conversar com profissionais mais experientes, ao fazer cursos e mais cursos, aprendi que um bom trabalho exige concentração, estudo de texto, ambiente adequado, TEMPO, tudo pra que a "persona" possa aflorar e pra que o resultado seja o mais satisfatório possível.
Hoje - ao fazer um balanço - vejo que perdi alguns clientes mais afoitos, mas os que seguem comigo sabem que o bem-estar, saúde e serenidade fazem toda a diferença no resultado do trabalho.
Não seja escravo da pressão. Valorize-se. Só você pode fazer isso.

Nenhum comentário: