29/07/2016

O Halls e a Voz.



A dica de hoje para os comunicadores, e que fique claro que não estou recebendo cachê por isso, é a Bala Halls!

Halls é um grande parceiro dos oradores pelo mundo afora. Seja para enganar a fome, limpar a garganta para falar melhor ou para deixar um ar bocal mais fresco para quem fala por horas e horas.

Por curiosidade, a marca foi criada na década de 1930 no Reino Unido pela empresa Halls Brothers. De lá pra cá o drops passou por vários fabricantes até a Mondelēz International se tornar a atual detentora da marca Halls.

Você já esperimentou o Mini Halls em caixinha? Este Halls pode auxiliar ainda mais no dia-a-dia do comunicador.

Porque?

Pela praticidade em colocá-lo na boca, sem ter que abrir bala por bala. A embalagem tradicional de papel fica inclusive grudenta.

Rapidez para comê-lo, devido ao seu tamanho. Durante a execução de uma música no rádio (4 minutos em média) ele desaparece da sua boca. Você não corre o risco de ter que falar no ar com a bala na boca, ou ter que colocar em uma mesa e na boca novamente.

Você pode dossar a “potência” do mini Halls, como são bolinhas pequenas você utiliza na quantidade desejada, conforme a necessidade do momento.

Outro ponto relevante é que, diferente do Halls tradicional, este é sem açúcar. Pode-se utilizar sem culpa.

E o melhor de tudo é que custa em torno de R$ 2,00 e vem 30 unidades.

Espero que o fabricante me mande umas caixinhas depois desse comercial free. Hehehe..

21/07/2016

Vídeo: Rede Record Debocha Dela Mesma.


Na chamada de estreia de seu novo programa, o humorista Fábio Porchat debocha da TV Record e ainda cita programas da Globo.
Parabéns a direção da Record. A permissão para esse tipo de brincadeira com sua programação é um verdadeiro amadurecimento da TV Brasileira.

12/07/2016

Rádio Feita Por Idosos.

Nunca é tarde para aprender e entreter. Projetada para “dar voz” aos cerca de 80 mil idosos de Santos(SP), a Rádio 60.0 é uma emissora comandada por representantes da terceira idade. 
 
A programação do veículo transmite, via internet, músicas dos anos 60 a 2000.

Para colocar o projeto em curso, é oferecido workshop de capacitação em técnicas de rádio aos idosos. O curso já atendeu quase 50 aprendizes em 3 meses de atividades. O treinamento tem duração de uma semana. Após a formação os alunos podem integrar o grupo de voluntários que participam da produção, edição e locução da Rádio 60.0. Além disso, com o término, os alunos podem gravar seu programa que é veiculado pelo site da rádio ou por meio de aplicativo.  
 
As aulas abordam temas como cidadania, internet, redes sociais e aplicativos de celular, história do meio de comunicação e técnicas de locução. 
 
A iniciativa foi implementada pelas secretarias de Defesa da Cidadania e de Comunicação e Resultados, e pelo Fundo Social de Solidariedade, em parceria com a Fundação Victório Lanza.
 
Uma ótima ideia para outras cidades seguirem, que tal?
 

07/07/2016

Humanos Estão Mais Distraídos Que Peixes de Aquário, Diz Pesquisa.


Uma pesquisa realizada pela Microsoft sugere que o tempo de atenção dos seres humanos já é mais curto que o dos peixinhos dourados - e isto pode ser culpa da tecnologia.

A pesquisa foi feita no Canadá e envolveu 2 mil pessoas que responderam a perguntas e participaram de jogos online para avaliar sua capacidade de concentração. Os pesquisadores também realizaram exames de eletroencefalogramas em outros 112 voluntários canadenses para monitorar sua atividade cerebral. Segundo a conclusão da pesquisa, a capacidade de concentração dos humanos está sendo reduzida por impacto dos dispositivos portáteis e das mídias digitais.

No ano 2000, a capacidade de atenção humana era, em média, de 12 segundos. Em 2013, esta capacidade caiu para oito segundos - um segundo atrás da capacidade de atenção média estimada por cientistas de um peixinho dourado de aquário.

"Pessoas com um estilo de vida mais digital têm dificuldade de se concentrar em ambientes onde atenção prolongada é necessária, devido à adrenalina do que é novo", escreverem os pesquisadores.

Cabe a nós, comunicadores, criar novas formas de entreter os nossos ouvintes e telespectadores, que estão se distraindo cada vez mais rápido.

Fonte: BBC Brasil.