23/03/2017

Como Aumentar a Audiência da Sua Rádio?


A pedido do leitor do blog Luis Savóia da Bahia, e outros locutores que já me questionaram, vamos tentar responder o que fazer para aumentar a audiência da sua emissora.

A atitude imediata seria criar promoções diferenciadas e divertidas, que prendam o ouvinte por um bom tempo na programação da rádio. Desenvolva projetos que envolvam músicas, artistas e o comércio da cidade.

Os prêmios não precisam mais ser camisetas e CDs como antigamente. Eles podem ser “experiências”, como jantares românticos, almoços temáticos, festas de aniversário, aulas de mergulho, vôos de asa delta, ingressos de cinema e parques, viagens, hospedagens, tirolezas, passeios de bicicleta, moto, kart, barco, cavalo, charrete, helicóptero ou bondinho.

Mas não basta fazer isto em um só horário. Toda equipe tem que se envolver e a rádio toda tem que ter uma programação criativa, interativa e contagiante. Novas vinhetas e novos quadros ajudam também a criar um diferencial.

Podemos até nos basear nas pesquisas recentes do IBOPE MEDIA de 2016 para alavancar ainda mais essa audiência. Segundo os dados, a maioria do ouvinte hoje é composta do público feminino (52%), de classe C (45%), que ainda ouve mais o rádio tradicional (58%), em casa mesmo (52%). Este público gosta muito de ouvir músicas e o estilo sertanejo ainda tem uma ligeira preferência. Até aqui percebemos que este é o perfil que a grande maioria das rádios segue. Mas o que poucos sabem é que este “novo” ouvinte gosta também de notícias, seja ela, local, nacional, internacional, policial, trânsito e tempo. Aí está a grande diferença que pode separar as emissoras de rádios dos players automáticos de música e gerar mais ouvintes: a informação em tempo real.

A informação bem dosada com a música é um estilo de programação pouco explorada pelas FMs e que pode ajudar a sua rádio a crescer cada vez mais.

15/03/2017

Por que os Assistentes Virtuais tem Voz de Mulher?



Cresce dia-a-dia um grande mercado para elas, as locutoras.

Percebeu que as esperas telefônicas, GPS, Google e os mais variados sistemas de atendimento virtual dispõem normalmente de um atendimento feminino? Mas porque essa preferência?

Segundo pesquisas, existe uma maior aceitação da voz feminina. Elas soam mais agradáveis aos nossos ouvidos.

Em artigo da Revista Seleções (fev/2017), o professor de comunicação Clifford Nass, da Universidade de Stanford, EUA, afirma que as pessoas tendem a perceber na voz feminina um auxilio para resolver problemas. Já a voz masculina é interpretada como uma autoridade com soluções prontas.

Bom, já sabíamos que as mulheres são mais atenciosas no atendimento presencial, e confirmamos agora também no atendimento virtual.

08/03/2017

Dica de Filme: "In A World..."


Sugestão de filme do SuperComunicador: A Voz de Uma Geração (In A World), disponível no Netflix. Vencedor do prêmio de melhor roteiro no Festival de Sundance em 2013.

Filme conta história de uma treinadora vocal que faz bicos como locutora. Ela é convidada para fazer um teste, disputando a vaga com vozes masculinas, para a narração dos clássicos trailers de filmes épicos, que iniciam com a chamada “Em um mundo...” (In A World).

Ela concorre com seu próprio pai, que é contra a carreira da filha, e com um cara que é a principal aposta para ser o novo locutor de cinema.

Filme bacana, com pitadas de romance e comédia, para quem quer conhecer melhor a área dos locutores comerciais.

03/03/2017

89% dos Brasileiros Ouvem Rádio Hoje em Dia.

O rádio permanece relevante para o ouvinte e, consequentemente, para o anunciante. A conclusão está na pesquisa Book de Rádio, panorama da Kantar Ibope Media sobre o meio e o comportamento do ouvinte de 2016. De acordo com o levantamento, a evolução tecnológica, apontada como possível responsável pelo fim do rádio, é considerada uma das principais ferramentas para democratizar a veiculação de conteúdo sonoro nas mais diversas plataformas e formatos.

Nas 13 regiões metropolitanas onde a pesquisa foi realizada, o alcance do rádio atingiu 89% da população, com média de 4h36min de sintonia diária.

Em Belo Horizonte (MG), o rádio tem maior alcance, chegando a 96% da população mineira.

A pesquisa comportamental revela ainda que os moradores de Goiânia (GO) são os que dedicam mais tempo do seu dia para o rádio: 5h34min.

“Diariamente ouvimos comentários de que o rádio está morrendo, mas essa informação é falsa. O estudo indica que ele está muito presente na vida das pessoas, se adaptou muito bem ao advento da tecnologia, além de ser portátil e, com a internet, permite acesso a conteúdos retroativos para serem ouvidos a qualquer hora”, destaca Dora Câmara, diretora-executiva-comercial Brasil da Kantar Ibope Media.

O estudo traz ainda dados sobre o perfil demográfico do ouvinte, como hábitos, preferências, opiniões e consumo. Ao avaliar a audiência, a pesquisa apresenta informações sobre a compra de espaço publicitário no meio, incluindo principais categorias e anunciantes. De janeiro a novembro de 2016, foram veiculados 4,5 milhões de inserções publicitárias de 9.850 anunciantes diferentes, dos quais, 46% exclusivos do meio rádio.

Fonte: Abert.